Seguidores

sábado, 27 de junho de 2009

Bolo em movimento

Vivo uma relação de amor e ódio com meus chefes. Acho que as relações de trabalho acabam sendo assim. Uma hora o companheirismo, na outra um leve mais muito claro desejo assassino. E, claro, eles devem realmente sentir o mesmo quando lidam comigo, até porque, digamos, se trabalhasse no Mcdonald dificilmente teria minha foto pendurada na parede da lanchonete como funcionário do mês.

Claro, que quando o clima esquenta, o mero repórter, o último da hierarquia jornalística, sempre leva a pior. São poucas ou nenhuma arma pra lutar com quem realmente manda no pedaço. Aí, meus amigos, se segure porque vem o que eu chamo de PAUTA-VINGANÇA pela frente. É um jeito sutil do chefe te sacanear, na categoria, na elegância, sem advertências, sem suspenção, sem demissão ou outra punição administrativa. Já fui vítima de alguns castigos do gênero.

Mauro Neto, meu amigo, ex-chefe, leadmaker dos bons e blogueiro aposentado, é um craque nesse quesito. Na nossa longa parceria, desde minha época de estagiário até pouco tempo atrás, ele aprontou algumas. Uma delas é a pauta do Bolo em Movimento. Sim, porque se você não sabem há os bolos parados e os bolos que se mexem, pombas.
Foto meramente ilustrativa.
Não sei porque quiseram fazer matéria sobre a tal guloseima animada. Mas, sei que o chefe de então direcionou a mim a tarefa por vingança. Ele mesmo confessou. O capo dizia que eu andava muito desestimulado, não tinha mais o mesmo gás para boas matérias e, espertamente, sapecou o tema pra eu produzir o texto para jornal impresso.

Lá, fui fazer a bendita matéria. O que é melhor é que a apuração era por telefone. Não havia uma fotinho, pelo menos, pra ter uma referência. Liguei e a dona da novidade detalhou todo o processo de feitura, falou dos clientes, sobre o mecanismo elétrico que faz o bolo mexer, disse como fica bonito nas festas infantis. Pronto.

Desliguei e fui escrever, incrédulo que tal tecnologia era possível e, mais ainda, na clientela louca pelo tal invento. Será mesmo que alguém encomenda esse troço? Nunca vi um bolo se mexendo, juro. Não me perguntem como é que funcionava essa mistura de trigo e geringonça elétrica que até hoje eu nao sei.
Mauro Neto, o vingador.


Mauro é craque. A última dele foi me mandar cobrir o lançamento da adesão de uma rede internacional de hóteis a um empreendimento local. À noite, fora do meu horário, evento social, que não é minha praia, e pauta recomendadíssima pelos donos do jornal, onde qualquer erro pode ser fatal. Tudo que eu sempre sonhei.

Ele nunca admitiu, mas acho que foi porque certa feita trocei de uma camisa dele. "Marrom fecal, enxadrezada e adornada com belas rosas". Uma beleza. Eu e minha grande boca grande. Ah, as doces pequenas vinganças.

5 comentários:

Leo Aquino disse...

Um feriado qualquer em Belém do Pará. Uma equipe de reportagem de TV cujas pautas insistiam em cair. Uma chefe de reportagem desesperada. Um telefonema. "Vai ali na Mundurucus perto da Alcindo Cacela. O trânsito tá quase fechado e tá um tumulto danado". Chegando lá, a equipe descobre que era um culto de uma igreja evangélica, celebrado por um dos grandes nomes da instituição no país. Ele gritava: "sai, satanás!" e coisas do gênero. Liguei para a chefe de reportagem e relatei o constatado. Não convencida, ela retrucou: "ligaram pra cá dizendo que o cara tá fazendo milagre. Um aleijado já saiu andando dai. Registra isso".

Sério. Não é piada não.

anderson_araujo disse...

Não é piada, mas é engraçado. Hahahahaa. E ainda acham que tem glamour no jornalismo, né?

Yáskara disse...

Pior foi a minha primeira pauta enquanto estagiária: "Tás com o nariz bom? Vai ali na Dr. Freitas e dá uma olhada num buraco de cocô a céu aberto. Todo mundo reclamando. Fica em frente um ponto de ônibus. Ouve os moradores e usuários de ônibus", disse adivinha quem??? Ele mesmo! Mauro Neto. Putz! Imagina eu, no salto agulha, de Lancôme no rosto e Victoria Secrets no corpo todo, indo apurar um monte de merda num buracão...Égua, demais!!! Mas fui. Linda e loira. Da mesma forma que parti pro Aurá e pra tantas manifestações das 12h. Sempre, sempre, linda e loira...kkkkkk...Mas, superei!!!!

anderson_araujo disse...

hahahahaha. muito bom. o que importa é a superação. hahahahahhaahaha. Mauro ainda assim é nosso eterno chefe.

Nega disse...

HUAHuahUAHuahuHAUhauHAU

bolo que se mexe, pqp!

Égua, mas o relato da moça acima foi demais!